Revista Bimensal 
Edição 3 - Março 04
Página

proFORM R
online
 

  
Tema desta edição: Educação e Formação de Adultos

 

 

Editorial

O Centro de Formação de Associação de Escolas de Almada Ocidental - Proformar graças à contínua reflexibilidade e experiências da sua equipa mobilizada e mobilizadora tem procurado evoluir no sentido de inscrever a sua intervenção formativa, no contexto local, na comunidade a que pertence, aspirando a ser e a tornar-se pela acção diária e constante, um serviço ao serviço da qualificação dos cidadãos.

Este projecto tão ambicioso quanto necessário e urgente julgamos, tem conhecido um processo lento de acontecer, no tempo e nas contrariedades, sem, contudo, se ter perdido o essencial, o sentido do caminho, assente em fundações incontornáveis e promotoras de inclusividade - cidadania, informação e conhecimento, qualificação.

Temos aprendido a enfrentar o desafio da aposta, o merecimento da acção, a criatividade necessária à resolução de problemas.
"Na vida tem cada um sua fábrica, estes ficam aqui a levantar paredes, nós vamos a tecer vimes, arames e ferros e também a recolher vontades, para que com tudo junto nos levantemos, que os homens são anjos nascidos sem asas, é o que há de mais bonito, nascer sem asas e fazê-las crescer, isso mesmo fizemos com o cérebro, se a ele fizemos a elas faremos" (Saramago MC 137)

Sublimemente simbolizado o poder de cada um se levantar, no todo de vontades de fazer, de crescer, de desenvolver, acreditamos na (im)possibilidade de ganhar asas na força de desejar poder querer voar.

Recorrendo à significativa experiência de Educação e Formação de Adultos vivenciada por este Centro, desde há 4 anos (2000-2004) (cursos EFA, Saber+, CRVCC), junto da Comunidade de pessoas desprovidas de certificação de escolaridade mínima obrigatória temos o privilégio de poder reconhecer comprovadamente que o processo de aprendizagem ao longo da vida se constitui como um poderoso manancial de desenvolvimento pessoal e das comunidades.

A pessoa adulta procura aprender a desenvolver-se de forma integral, com uma visão ampla do mundo e de si, apropriando-se de (re)aprendizagens pessoais, culturais, sociais, cívicas, profissionais, operacionalizáveis nos respectivos projectos de vida, na participação activa na comunidade, na aquisição de competências alargadas e potenciadoras de empregabilidade, no mercado de trabalho em mudança, no ganho incomensurável de auto-confiança, auto-estima, auto-reconhecimento, asas de suporte do homem para a sua dignificação e libertação.

A nossa experiência diz-nos que a aprendizagem ao longo da vida, em qualquer idade, em qualquer momento, reunidas as condições e as vontades, transforma a informação em conhecimento activo, uma vez que os aprendentes estimulados renovam a sua consciencialização e sensibilidade, tornando-se produtivos agentes de construção do mundo, investindo na sua criação e transformação.
Este Centro, por vontade e determinação, tem vivido em aprendizagem continuamente aprofundada pela reflexão, decorrente da acção e das práticas processuais de combate à exclusão educativa, promovendo a criação de ambientes aprendentes favoráveis, estimulantes de autonomia, desenvolvimento de competências e de apropriação de saberes e conhecimento activo.

Essa reflexibilidade autoriza-nos a reclamar o direito e o dever à aprendizagem ao longo da vida de todos os cidadãos, autoriza-nos a reconhecer a dimensão produtiva de felicidade alcançada pelos aprendentes envolvidos no processo especial dos Centros de Reconhecimento, Validação e Certificação de Competências (CRVCC) - cerca de 85 a nível nacional). Centros estrategicamente concebidos para promoverem a valorização junto de cerca de 3 milhões de portugueses fragilizados e diminuídos na sua cidadania, por ausência de certificação de escolaridade mínima obrigatória (9º ano).

Grandes os males, grandes os remédios, grandes os desafios!

O Grande desafio cabe-nos a todos, é nacional. O Maior desafio cabe à Educação, à Escola, organização, por excelência, de fazer acontecer a aprendizagem, de fazer nascer desde criança, o gosto de aprender, a curiosidade de saber, o incentivo de descobrir, e conhecer para a existência, a necessidade vital de ser, de (se) (trans)formar ao longo da vida, mobilizando vontades, sonhos, projectos, num processo contínuo e crescente de realização e reinvenção pessoal e do Mundo! Nascer sem asas e fazê-las crescer... a elas faremos!  

 

Maria Adelaide Paredes da Silva
Directora do Centro PROFORMAR

 
 

Índice

  • Editorial

  • Educação e Formação de Adultos -
    Inovação, Qualificação e Competitividade

  • Sistema de Reconhecimento, Validação e Certificação de Competências - Uma porta aberta para um sonho interrompido  

  • Etapas Ilustradas do Processo de RVCC

  • O Processo de Reconhecimento, Validação e Certificação de Competências em Portugal

  • Testemunhos de uma equipa

  • Um CRVCC Alentejano

  • Ofício: professor/formador
  • PROFORMAR, 10 Anos a Formar

  • Não há idade para aprender...

  • Organização Local de 
    Educação e Formação de Adultos de Almada – OLEFA

  • A “história de vida” de um Curso EFA – B1 e de uma mediação partilhada

  • Programa Sócrates - Acção Grundtvig - Educação de adultos e outros percursos educativos

  • Projecto «Memórias de Vida e Tradições Culturais» - Acção Grundtvig 2 - Programa Sócrates

  • Ensino Recorrente por Blocos Capitalizáveis

  • Os CET: O que são e para que servem

  • Sítios úteis e bibliografia


 

Dossier Especial

A ausência de uma política de "Educação de Adultos" como forma de controle social e alguns processos de resistência

O valor da aprendizagem experiencial dos adultos nos Centros de Reconhecimento, Validação e Certificação de Competências

 


 

XVII Colóquio ADMEE-Europa

A Avaliação de Competências Reconhecimento e Validação de Aprendizagens Adquiridas pela Experiência

http://www.fpce.ul.pt/conferencias/admee2004

 

 

CICLO DE CONFERÊNCIAS

Mestrado em Formação de Adultos 

http://www.fpce.ul.pt/noticias

 


Participam neste número

....... Adelaide Silva
Alberto Melo
Ana Matos
Carlos Nascimento
Celina Fernandes
Esmeralda Freitas
Isabel Duarte
Jorge Carvalho
José Alberto Leitão 
José Baeta Oliveira
Júlia Bentes
Laura Saial
Litos (Luís Carvalha)
Lucinda Ribeiro
Madalena Mendes
Márcia Mendes
Marcos Aguiar
Maria José Tomazinho
Mário Araújo
Sara Alves
Sílvia Gregório
Teresa Palma Fernandes

 

Coordenação e organização de textos: Proformar
Março, 2004

Envie as suas sugestões, contributos e críticas para revista@proformar.org Contamos consigo!